Diário de Bordo "Vidas Secas"

17/05/2013 14:53

 

Diário de Bordo – VC 17/05/2013
Viagens Literárias
Vidas Secas - Graciliano Ramos
Noemi Jaffe
Vamos iniciar mais uma viagem pela literatura, agora pela aridez da seca nordestina. É
importante conversar com os colegas a respeito do romance e do contexto em que ele foi
publicado. Fazer anotações sobre as reflexões realizadas, as dúvidas, as ideias para trabalhar em
sala de aula, tudo pode contribuir para que a viagem seja mais produtiva.
Os participantes podem se preparar para assistir à videoconferência realizando as
seguintes atividades:
• Ler o romance "Vidas Secas”, de Graciliano Ramos.
• Registrar comentários sobre a linguagem e a temática do romance.
Os itens a seguir podem ajudar nessa tarefa:
Os críticos dizem que o primeiro e o último capítulos de Vidas Secas - Mudança e Fuga -
representam o fechamento de um ciclo. Na sua opinião, que ciclo seria esse?
Busque, no livro, as características que denotam, como muitos críticos comentam, a secura da
própria linguagem, não somente do ambiente.
Verifique, no livro, algumas comparações entre os personagens e alguns animais e analise essas
comparações.
Converse com os colegas sobre o significado e a função do discurso indireto livre e localize
alguns momentos em que ele aparece no romance.
Localize trechos em que a cachorra Baleia é descrita como se fosse humana e interprete o
significado dessa inversão.
Faça uma pesquisa sobre as características principais do período da segunda geração
modernista, conhecido como regionalista, e localize-as no romance.
Pesquise também, com os colegas, outras referências ao fenômeno da seca nordestina, na obra
de Graciliano Ramos. Outra boa ideia é comparar o romance ao poema de João Cabral de Melo
Neto, Morte e Vida Severina.
Sugestões para os professores em sala de aula:
Há dezenas de sites disponíveis com resumos e análises da obra “Vidas Secas”.
Aconselha-se a não incentivar a leitura de resumos, mas sim planejar as aulas para que se leia o
romance na íntegra.
2
Como os capítulos são relativamente autônomos e curtos e a própria obra não é longa, é
possível ler vários trechos em sala de aula. No prazo de quinze dias ou, se necessário, um mês, é
possível ler o livro inteiro. É importante, entretanto, solicitar aos alunos que, ao longo da leitura,
façam tarefas específicas, como prestar atenção aos personagens, ao espaço, às palavras que
remetem à seca, à animalização dos personagens e à humanização da cachorra Baleia, à
dificuldade de lidar com a linguagem. O professor também pode elaborar perguntas sobre os
capítulos, estipular um prazo para a leitura e pedir, ao cabo de determinados dias, que os alunos
tenham as perguntas respondidas.
Para saber mais:
Quem desejar fazer pesquisas sobre a vida e a obra de Graciliano Ramos, pode visitar o
seguinte site:
www.graciliano.com.br
Indicações bibliográficas:
RAMOS, Graciliano. Vidas secas. Record: Rio de Janeiro, 2003.
NETO, João Cabral de Melo. Morte e vida severina – Ed. Alfaguara/Objetiva, Rio de Janeiro,
2007.
LAFETÁ, João Luiz. Estética e Ideologia: O Modernismo em 30. In: A dimensão da noite e outros
ensaios. Editora 34, São Paulo, 2004.
http://www.dopropriobolso.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=244:estetic
a-e-ideologia-o-modernismo-e Acesso em 06 de maio 2013.
http://www.fflch.usp.br/dlcv/posgraduacao/ecl/pdf/via07/via07_08.pdf Acesso em 06 de maio
de 2013.
http://noticias.universia.com.br/tempo-livre/noticia/2012/10/15/974735/conheca-os-retirantes-candido-